segunda-feira, agosto 27, 2018

Tratamento entre Confrades


Tratamento entre Confrades.

Faz-me confusão, como é que as pessoas entram, fazem parte ou dirigem uma coisa, que não sabe o que são.
Como por exemplo, uma Confraria e o que é uma Confraria, ou ainda mais em concreto uma Confraria Gastronómica; e sobre Confraria no dicionário encontramos: Por confradaria de frade < Lat. fratre, irmão s. f., associação com ou sem fins religiosos; irmandade; congregação; conjunto de pessoas da mesma categoria, com os mesmos interesses ou com a mesma profissão; sociedade; associação.
Assim faz-me muita confusão quando assistimos, nos capítulos de entronização, começam a tratar os confrades pelos seus títulos académicos ou outros, afinal de contas estamos numa confraria ou seja uma irmandade, nas confrarias isto é inadmissível, uma vez que uma confraria é uma irmandade, e não se trata um Irmão por Dr., Eng., ou Arq., ou qualquer outro título.
Embora esteja igualmente errado, até dou de barato, que se tratem por Vocês, porque desconhecem a que “você” não existem na Língua portuguesa, até porque mesmo em certas regiões de Portugal, especialmente nas zonas desenvolvidas como as cidades, o tratamento por você é considerado diminuidor, tradicionalmente a resposta é "você é linguagem de estrebaria!", e é considerado até uma forma de insulto ou de desvalorização. Num contexto mais formal, o “você” é substituído por "senhor", "senhora" ou, na maioria das vezes, simplesmente não se recorre a um sujeito.
Uma Confraria, irmandade ou fraternidade é um grupo de pessoas que se associa em torno de interesses ou objetivos comuns, seja o mesmo ofício, a mesma profissão, modo de vida ou religiosos ou espirituais.
O termo origina-se da Idade Média, a referir-se a associações religiosas ou laicas, que se reuniam com a dupla finalidade - espiritual e assistencial.
As confrarias laicas ou corporativas eram associações que tinham como finalidade a assistência mútua dos associados e a defesa dos interesses comuns, a assistência em caso de pobreza, doença e velhice, bem como o sepultamento e sufrágio das almas dos confrades.
Das Confraria laicas, nasceram as Confraria Gastronómicas, que nasceram com a finalidade da defesa de um produto local, regional ou nacional, não deixando que o mesmo se perca com o tempo e salientando as suas origens e tradições.
Acho que está na altura das pessoas, que estão ou vão entrar para uma confraria saibam a história e tradição do que é uma confraria e como se devem tratar dentro da mesma.
Afinal das Confraria não foram criadas de certeza para serem feiras das vaidades.
Um povo que não conhece a sua história está condenado a não saber projectar bom futuro”.

Henrique Tigo
Grão-mestre da Confraria dos Enchidos

sexta-feira, agosto 24, 2018

Barão de Alfornelos



Barão de Alfornelos 


Por direito próprio tem o Senhor Barão de Alfornelos, Dom Henrique Tiago Nogueira Afonso Mourato ( Henrique Tigo) as suas armas registadas no Real Conselho de Nobreza. As referidas nobres armas estão ordenadas da seguinte forma:
De Azur, com um Leão rampante, coroado, de ouro, segurando na garra dextra uma corbeille de três Romãs de prata; correia de gules, paquife e virol de Azur e Prata. Coroa de barão. Timbre o leão coroado sainte e rampante.
Romãs
Fruto oriundo da antiga Pérsia, há quem acredite que as romãs eram uma fruta do Paraíso. A origem do seu nome vem do latim ‘pomum’ (maçã) ‘granatus ‘ (com sementes). Os arquivos cuneiformes da Mesopotâmia já tinham referências às romãs. Por causa da sua casca grossa as romãs resistem mais do que outras frutas às variações meteorologicas. Por isso foram usadas como alimento nas travessias do deserto. 
A Sagrada Escritura ensina que as romãs são símbolos de Rectidão ou Honradez. O livro do Êxodo explica que as romãs estavam esculpidas no Templo de Salomão em Jerusalém. Cada romã possui 613 sementes. Tantas, quantos os provérbios judaicos (Mitzvots) inscritos na Tora. 
O estilo Manuelino esculpido na pedra dos mosteiros dos Jerónimos, da Batalha ou de Tomar, tem nas romãs uma presença permanente. Nos edifícios simbólicos do reinado de D.Manuel I, sobretudo nos domínios da Ordem de Cristo vislumbram-se com frequência três romãs sobre a Esfera Armilar. Cristóvão Colombo parecia ter relações muito íntimas mas secretas com a Ordem de Cristo. Um dos aspectos que o aproximam desta Ordem é o seu apego ao culto do Espírito Santo e a Jerusalém. O retrato de Cristóvão Colombo está representado na “Virgem dos Navegantes” pintado cerca de 25 anos depois do seu falecimento pelo pintor alemão Alejo Fernandéz (c. 1470 - 1545) que regista no vestuário de Colombo, um padrão de três romãs. Não se sabe se para afirmar as raizes judaicas de Colombo. Sabe-se que o navegador chamou Granada a uma das primeiras ilhas que descobriu.
Leão
Símbolo de força, grandeza e nobreza de condição. Foi com as marcas da sua casa real que sua majestade o rei Kigeli V quis assinalar e distinguir, este novo barão. 
É todo este simbolismo da rectidão e honradez, da terra geográfica conhecida, da união das diferenças, da ligação ao Espírito Santo e ao Templo de Salomão que este já antes homem de bem, carregará nas armas que o assinalam como barão.

Sou abstémio

Sou abstémio!
Vivemos num dos países com maior consumo de bebidas alcoólicas e no pais com mais consumo de vinho do mundo e numa altura que tanto se fala de bullying, esquecem-se das pessoas que sofrem de bullying por serem abstémios.
Eu sou, abstêmio assumido, nunca bebi vinho nem cerveja na minha vida e por isso sou vítima de “bullying” porque em Portugal, ainda temos a mentalidade que Macho, que é Macho tem de beber.
Não necessito de beber para me divertir ou saborear uma bela refeição, quem disse que a comida só é boa se acompanhada por Vinho.
As pessoas não percebem ou não querem perceber o quanto são chatos e mal-educados com a questão do beber vinho e vivo num grande dilema: como convencer a todos que sou feliz sem beber e que gosto de estar sóbrio?
Ser abstémio para mim é natural, ninguém nunca me obrigou a ser abstémio foi por opção própria, aliás o meu pai e os avós eram apreciadores de bom vinho, mas nunca me chatearam por eu não querer beber.
Fiz parte da comissão de praxes na faculdade e sobrevivi a esses tempos sem beber nada, e na faculdade, onde eram comuns as rodadas e mais rodadas nos bares perto do campus da Universidade, até tínhamos o Rally das Tascas, e eu fiz tudo mesmo tudo, diverti-me, ri, chorei, emocionei-me e até amei mas sempre sóbrio.
Hoje como Grão-mestre de uma confraria gastronómica mantenho-me com o meu estado de abstémia, e não é fácil pois anda tudo a minha volta a “melgar”,
É hoje que vais beber, 
e bebe isto e bebe aquilo, 
e é hoje, 
de hoje não passa…
Chega se eu estive 40 anos sem beber, se ninguém me conseguiu convencer a beber vinho ou cerveja, não vão ser as melgas que acham que tem graça que o vão conseguir…
Eu nunca digo, nunca, nem digo que um dia possa queres experimentar, mas será quando me apetecer, até lá chega!
Portugal têm a maior taxa de acidentes mortais por causa de bebidas alcoólicas, mas mesmo assim as pessoas continuam a beber e meterem-se no carro, colocando a sua vida e a dos outros em risco, e depois ainda chateiam os outros para beber…
Eu sou abstêmio e o que me oferecem nos meus anos e no Natal… Garrafas de Vinho!
É como os que se dizem católicos, que não comem carne na Quarta-Feira de Cinzas, nas sextas-feiras da Quaresma e na Sexta-Feira Santa, porque representa o Corpo de Cristo, mas os Portugueses são os únicos que nesta altura bebem vinho, o que não deviam fazer pois ele representa o sangue de Cristo, se não comem carne, não deviam beber vinho, mas isso não.
Já o Prof. Dr. Oliveira Salazar, mandava beber vinho e até dizia que “…beber vinho e dar de comer a um milhão de Portugueses.”
Tudo bem cada maluco com a sua, eu respeito a vossa, por isso só peço respeitem a minha abstinência.

quinta-feira, agosto 23, 2018

Entrevista na SIC dia 16 de Agosto de 2018

A minha entrevista no telejornal da SIC dia 16 de agosto de 2018, pela Jornalista Ana Paula Almeida

quinta-feira, julho 26, 2018

quarta-feira, julho 18, 2018


Morreu o Ermita da Literatura Portuguesa
Altino do Tojal






Faleceu um enorme vulto da literatura Portuguesa, o escritor e jornalista Altino do Tojal, para os seus amigos o “Ermita”, pois não gostava de andar nas festas do croquete e não se dava muito com outros escritores, nunca se meteu, a jeito para Condecorações e Prémios, embora os merece-se, a sua obra os Putos é a obras que em Portugal mais reedições teve vais na 38 edição, nem o Saramago conseguiu esse feito.
Mesmo sendo o Ermita, tive a sorte de ser seu amigo, nunca faltou a uma exposição minha, chegou a comprar-me quadro e eu homenageio na minha Exposição Vultos da Cultura Portuguesa.
Ofereceu-me os seus livros e a sua amizade, escreveu a abertura de um catálogo meu.
Tive com ele, conversas interessantes, um homem encantador como reservado, por quem tenho uma enorme admiração.
Espero sinceramente que Portugal, não se esqueça dele e do seu contributo para a nossa cultura, história e identidade.
Altino do Tojal nasceu a 26 de Julho de 1939, em Braga, e foi criado pela tia Emília, professora primária, que o ensinou a ler aos cinco anos, e pelo seu avô, professor aposentado.
Viveu em Braga até aos 27 anos. Trabalhou em vários jornais, entre eles o "Jornal de Notícias", depois no lisboeta "O Século", até ao seu encerramento, e depois no "Comércio do Porto". Trabalhou também durante alguns anos na Biblioteca de Braga.
Mas foi na escrita de ficção que se destacou com dezenas de obras. A sua obra "Os Putos" foi adaptada ao teatro, à televisão e à banda desenhada. A primeira versão deste livro surgiu ainda em 1964, com o título "Sardinhas e Lua".
Sobre mim Altino do Tojal escreveu:
Frequentador ocasional de exposições, conhecia de Henrique Tigo pinturas de vanguardismo arrojado. Agora vejo-o cultivar também o retracto, na sua evolução de “Vultos da Cultura Portuguesa”.
    Numa galeria vinte e tal seres humanos retractados, já quase todos pó de cemitério, decidiu generosamente o artista incluir-me entre os dois ou três que continuam a respirar os ares deste mundo.
    Confidenciou-me ter sido útil ao seu propósito a leitura de alguma da minha obra literária, sobretudo “Os Putos”, onde, valha a verdade, outra coisa não fiz senão falar de mim e da minha vida ao derredor. Assim equipado, terá o pintor ambicionado transcender uma vulgar semelhança fisionómica, ir mais além, através da sua arte explorar-me a alma. Examino com atenção este retracto amargo e rude, esquivo, dir-se-ia inabordável. Fiel ao preceito délfico, há 63 anos que eu próprio venho procurando humildemente conhecer-me, e as minhas pesquisas interiores parecem aflorar de algum modo no retracto, não são grosseiramente desmentidas por ele.
    Alguém o adquiriu, faz já parte de uma colecção particular – informa o catálogo. Talvez o desconhecido comprador não dependure lá em casa a minha autêntica imagem, o verdadeiro “Eu”; mas, de todos os retratos que me tiveram por modelo, estas pinceladas breves e lampejantes tornam-no, ao menos para mim, o mais revelador.



quarta-feira, maio 09, 2018

88 Feira do Livro



Este ano lá estarei novamente a realizar uma sessão de autógrafos na 88ª Feira do Livro de Lisboa dia 30 de Maio entre as 18h30 e às 19h30.
Com os Livros:

As Portas de Abril;
Galeria de Poemas;
Bodas de Madeira da Confraria dos Enchidos;
Maçonaria Com Tigo.

Conto com a vossa presença.

quinta-feira, março 01, 2018

Deus da Carnificina




Ontem tive o privilégio de ver em primeira mão a peça Deus da Carnificina, a convite do meu amigo, primo, etc, etc, etc… Jorge Mourato, um dos melhores actores da actualidade em Portugal , que tem crescido muito como actor e que nesta peça tem um papel formidável .
Em cena no Teatro da Trindade, com: Jorge Mourato, Patrícia Tavares, Rita Salema e Diogo Infante, com encenação do mesmo.-
A peça passa-se a volta de dois casais supostamente civilizados, que se encontram para resolver um incidente provocado pelos seus filhos menores. Contudo as coisas nem sempre são o que parecem ser, no meio de tanta hipocrisia, tudo descamba e descobre-se a realidade destes dois casais, iguais a tantos com quem convivemos diariamente. Aliás esta peça reflecte bem a realidade que vivemos.
Deus da Carnificina é uma comédia altamente bem representada por estes quatro actores, eu já tinha visto o filme com os actores:  Jodie Foster,  John C. Reilly, Kate Winslet e Christoph Waltz, e sinceramente prefiro esta peça que estará em cena até dia 29 de Abril no Teatro da Trindade e que recomendo vivamente.