quarta-feira, dezembro 24, 2014

Antologia Póetica da Calçada das Letras 2014



Já nas grandes livrarias Antologia Póetica da Calçada das Letras 2014, 
onde também se encontram 4 poemas meus.

sexta-feira, dezembro 19, 2014

sábado, outubro 11, 2014

Mário Máximo fala sobre Henrique Tigo

Mário Maximo fala sobre Henrique Tigo, enquanto ser humano e como artista e poeta 
no lançamento do seu livro Estranha forma de Poesia em 2014

sexta-feira, outubro 10, 2014

Joaquim Henriques Nogueira


Joaquim Henriques Nogueira, fazia 90 anos



Existem pessoas boas, que nunca desaparecem e o meu Jaquim era assim, hoje faria 90 anos e mesmo 7 anos depois do seu desaparecimento físico ainda me é difícil ter visto partir aquele “bocadinho de mim” mesmo sabendo que ele estava muitíssimo doente, o meu Jaquim era o meu segundo Pai… pois era isso que o meu avô Joaquim Henriques Nogueira era para mim. A Várzea Pequena viu-o nascer na manhã de 10 de Outono de 1924, Cascais o viu partir em 2007.

Não sei qual é a primeira memória que tenho dele pois ele foi e é uma constante da minha vida. Desde os primeiros passos que dei de mão dada com ele no Jardim Príncipe Real, até esperar por ele todas as manhã para almoçar… Foi ele que me ensinou a jogar as cartas, dominó e as Damas. Pode não me ter ensinado, Latim, Física ou Química, mas ensinou-me a ser honesto e integro como ele sempre foi. Ensinou-me ainda a respeitar os mais idosos e a ser um verdadeiro ser humano, não uma pessoa de “plástico”.

Ficou muito feliz que, mesmo doente e quase, quase a deixar-nos, eu tivesse realizado alguns dos sonhos que ele tinha para mim, como tirar a carta de condução, um sonho dele próprio que nunca teve oportunidade de realizar e ter um neto Dr. e a ele dediquei a minha Licenciatura.

Vivi paredes-meias com ele durante mais de 10 anos, morava duas ruas à frente e todos os dias estávamos juntos. Acredito que existiam poucos Avós que fossem mais carinhosos, meigos e até babados com os seus netos como ele foi para mim… posteriormente tivemos de mudar para mais longe, mas todos os fins-de-semana estava com ele e as nossas “jogatanas” e conversas continuaram. Honestamente, não me lembro de um momento importante quer positivo quer negativo da minha vida onde este grande homem não estivesse presente.

Três anos antes da sua morte tive contacto pela primeira vez com o “Anjo Negro” da morte quando este ceifou a vida a minha querida avó Emílinha e aos poucos e poucos vi o meu avô apagar-se, fazendo e dizendo coisas estranhas, que ao início não entendíamos e ou não queríamos acreditar, mas viemos mais tarde a saber que ele tinha a doença de Alzaimer há muitos anos. Facto que nem ele sabia, pois os médicos sempre o esconderam, como esconderam o “Cancro” que há mais de 10 anos lhe estava a minar o corpo todo… no espaço de dois anos deu entrada no hospital mais de trinta vezes, sofrendo aquilo que ninguém pode imaginar… Vi com os meus olhos o desaparecimento do Sr. Nogueira e o nascimento de um cadáver com vida que mais parecia uma daquela vítimas do Holocausto Nazi, quando ele nos deixou pesava pouco mais de vinte quilos…

Lutou com todas as forças que tinha, muitas vezes vínhamos do hospital a pensar que seria a última vez que o veríamos com vida, ele dava a volta e mandava o “Anjo Negro” embora… Quero salientar ainda a força dos meus Pais que nunca o abandonaram e que todos os dias estiveram ao seu lado. Numa altura em que se fala que os maus tratos aos idosos aumentaram mais de 30% em Portugal, na minha casa vi o contrário, vi o que é o amor de uma filha pelo seu pai…

Quero acabar por dizer que ele, o meu Avô, o meu Jaquim, sempre foi uma pessoa muito humana e solidária, sempre que alguém estava doente ou no hospital ele era a primeira pessoa a correr para dar a sua solidariedade, mas como nem todos são como ele, quero agradecer aos poucos que se preocuparam e o foram visitar quando ele mais necessitou de solidariedade, um pouco de carinho e de amor… Para esses o meu muitíssimo obrigado em meu nome e em nome da minha família.

No dia 17 de Janeiro de 2007, voltou definitivamente para a sua muito amada terra, onde por coincidência ficou a dormir o sono eterno, na campa atrás da sua mãe, Antónia Henriques Nogueira.

A ti meu avôzinho querido, deixo um último beijo carregado com aquele amor tudo que sempre me deste…

Agora descansa, bem mereces…
Beijo do teu neto que te ama Henrique Tigo

quinta-feira, setembro 18, 2014

O meu Testamento

O meu Testamento
Poema de Henrique Tigo
Declamado por Francisco Pina Queiroz

Mais de 10.000 visitantes

O meu blog já ultrapassou as 10 128 visitas obrigado a todos...

IV Capítulo de Entronização da Confraria dos Enchidos

Mais informações em: www.confrariadosenchidos.com

domingo, julho 13, 2014

Tristeza poema de Henrique Tigo declamado por José Fanha

"Tristeza" poema de Henrique Tigo
declamado por José Fanha

domingo, julho 06, 2014

"Estranha forma de poesia"



Várias pessoas que não estiveram no lançamento do meu livro " Estranha forma de Poesia" perguntaram-me como o podiam comprar, basta mandarem um mail para as Edições Ideia Fixe: geral@if-pt.com ou ligarem para 962646230



terça-feira, julho 01, 2014

Lançamento do livro " Estranha forma de Poesia"


 
Foi belo o fim de tarde, ontem (30 de Junho) no Centro Cultural Malaposta. O artista multifacetado Henrique Tigo fez o lançamento do seu livro "Estranha Forma de Poesia". O setimo livro deste artista, mas o primeiro de poesia. É sempre bom quando nos encontramos com artistas e amigos que valorizam o sentir poético e a cultura de um povo que é, sem dúvida, o mais poético de todos!
A presença de José Fanha, que é sempre o relembrar de uma poesia que declama e encanta, que edifica uma inconformidade que é em si revolução. Disse Fanha: "Somos um povo de poetas e revolucionários, de vozes que não se calam, de gente que resiste... mas que (infelizmente) não tem a ousadia de se sentar na fila da frente!"
Mário Máximo que nos brindou com dois poemas de Henrique Tigo numa interpretação que arrepia pela intensidade, pela maneira como nos serve as palavras trabalhando cada sílaba como um escultor e complementando com um gesto que nos prende de princípio a fim a atenção e o tempo.
Henrique Ribeiro, um lutador incansável pela divulgação da cultura e do valor humano, que se lança numa nova aventura que irá trazer à luz do dia, palavras e sentires que são a voz das gentes e a paixão dos poetas, começa bem e com energia para fazer mais, sempre mais.
A voz do Carlos Alberto Moniz é como um bom vinho, cada vez melhor.
E que bem que soube ouvir do vereador da Cultura da CMO, Edgar Valles, a preocupação em divulgar a todos o riquíssimo património cultural do nosso concelho."
Um momento também inesquecível foi-nos proporcionado pelo compositor Jorge Ganhão, que voz, que presença fantástica, ouvi-o pela primeira vez mas espero ter o privilégio de o ouvir muito mais vezes!
Por fim um obrigado ao actor Guilherme Leite pelas boas gargalhadas e à Macal (empresa de charcutaria) pelas iguarias que levaram para degustarmos!
Podiam ser muitos mais os dias assim...

domingo, junho 29, 2014

Morreu o Sr. António Fernandes


Durante anos ir a Várzea era sinal que ia encontrar 3 pessoas que me eram muito queridas, o José Matos Cruz, o Dr. Octávio Dias Garcia e o Sr. António Fernandes. Já falei sobre os dois primeiros a quando do seu falecimento, hoje vou falar sobre o Sr. António Fernandes.
Desde sempre me lembro do Sr. Fernandes, foi colega de escola e de tropa do meu avô Joaquim, todos os anos, quando íamos de férias, lá estava ele, um poço de sabedoria, um varzeense como há poucos. Graças a ele ficávamos ao corrente das notícias da nossa terra, colaborador na Comarca de Arganil, no Jornal de Arganil e no Varzeense, não havia nada em que ele não estivesse metido. Lembro-me quando se candidatou a presidente da Câmara Municipal de Góis, era um elemento ativo da Cooperativa do Credito Agrícola e um grande produtor de mel, tínhamos sempre mel, aguardente de mel e até sabonetes de mel.
O Sr. Fernandes era um amigo, um verdadeiro amigo de toda a minha família, passávamos horas à conversa juntamente com os meus pais no “Zé do Café”, ponto de encontro de grandes tertúlias. Todos os anos almoçávamos na sua casa, e como cozinha bem a avó Júlia!
Tinha um dos maiores arquivos históricos sobre o Concelho de Góis. Quando escrevi o meu livro sobre o Concelho de Góis, recorri a ele para obter mais documentação relevante.
Até em Lisboa, sempre que se organizava alguma iniciativa, o Sr. Fernandes era o primeiro a chegar. Esteve presente em inúmeras exposições minhas e do meu pai, assim como na homenagem nacional realizada ao meu pai em 1998. Quando entrei para a Universidade, este grande amigo pediu a Avó Júlia para me bordar a mão o brasão de Vila Nova do Ceira para eu usar na minha capa, emblema que usei com muito orgulho. O Sr. Fernandes e a avó Júlia estavam sempre presentes.
Mas não deixo de ficar duplamente triste, primeiro porque perdi um grande amigo e segundo porque o Concelho de Góis parece ter-se esquecido deste Grande Homem, parece ter-se esquecido de tudo o que ele fez pela sua/nossa terra, os empregos que “arranjou” a muitos varzeenses, o quanto ele ajudou instituições de solidariedade locais e não só.
Este grande varzeense desapareceu, e em vida o Concelho de Góis não lhe prestou a devida homenagem, anseio para que o façam após a sua morte, como por exemplo uma Rua com o seu nome, um premio de inovação ou bolsa de estudo com o seu nome ou até mesmo a medalha de mérito municipal. Podem dizer-me: Ah e tal … ele era da oposição! E??? Era um grande varzeense! Eu sou assumidamente militante do PS e militante da secção de Góis e defendo uma homenagem a este homem, não só por ser seu amigo, mas porque se tratava de um grande democrata e um foi enorme benfeitor!
Eu e a minha família estamos profundamente tristes com o seu desaparecimento, e deixamos aqui os nossos pêsames a toda a família.

Bandeira Nacional


Existem coisas que me deixam fora de mim, e uma delas é a falta de respeito por Portugal!!! e um dos maiores símbolos de Portugal, é a nossa bandeira!!!
E mais uma vez voltamos a ver uma enorme falta de respeito pela nossa bandeira!
Aí... e tal... é o mundial, pois mas Portugal é todos os dias e não consigo admitir faltas de respeito para com Portugal!!!
Se não sabem as regras das bandeiras nacionais e relembro:

A Bandeira de Portugal deverá ser hasteada todos os dias, no seguintes locais:
- Sedes dos órgãos de Soberania Nacional. E deverá ser hasteada, pelo menos, aos domingos, feriados e em outros dias em que tal seja decretado pelas autoridades competentes, nos seguintes locais:
- Instalações de outros órgãos das administrações públicas, central, regional e local; Sedes de institutos e de empresas públicas; Monumentos nacionais.
Além daqueles, a Bandeira de Portugal pode ser hasteada em qualquer outro local - público ou privado - desde que sejam cumpridas as regras do protocolo e das precedências.
Nos dias e locais onde a Bandeira de Portugal seja hasteada deve ser içada às 9h00 e arriada ao pôr do Sol. Opcionalmente, a Bandeira de Portugal pode permanecer hasteada durante a noite, se estiver iluminada por holofotes.

Vamos lá ter respeito pela Bandeira e principalmente por Portugal!

quarta-feira, junho 04, 2014

Lá estarei a sua espera


quarta-feira, maio 07, 2014

As Portas de Abril - Casa da Cultura dos Olivais



O livro será apresentado por:




Fernando Pereira - Senhor das 1000 Vozes, e a última vítima da PIDE;

Francisco Pina Queiroz – Diretor da Casa da Cultura dos Olivais

Edmundo Pedro - histórico da resistência antifascista em Portugal;



Sobre este livro entre outros escreveram:


“Tem o leitor entre mãos o trabalho do Henrique Tigo, um artista historiador, que, naturalmente enxerga a história com a sensibilidade própria da estética e da poesia da vida”

                                                     
                                                     José Verdasca – Presidente da Ordem Nacional de Escritores.



“Com esta pequena peça teatral pretende Henrique Tigo dar a conhecer aos mais jovens os tempos tenebrosos que se viveram antes do 25 de Abril e os importantes passos que se deram no desenvolvimento do nosso Portugal.”



Henrique Mendonça - Militar de Abril



Escrevi “As portas de Abril” quando tinha apenas 15 anos, achei que escola transmitia pouco aos alunos sobre o que tinha sido o 25 de Abril de 1974, sendo eu um produto do pós-Abril, rapidamente apercebi-me, que senão fizesse alguma coisa para ajudar a minha geração e as gerações futuras o 25 de Abril, poderia entrar no esquecimento, ou ser uma festa só para alguns na Assembleia da República.

Para mim o 25 de Abril de 1974, foi o dia mais bonito que Portugal viveu, havia Liberdade, Igualdade e Fraternidade no Ar, o povo esteve unido como nunca antes nem como nunca depois… Fomos o único país no mundo onde houve um golpe militar e das armas dos militares, só saíram cravos!

Não falo, nem pretendo falar sobre o dia 26 de Abril, quero sim manter a “chama” do dia 25 de Abril de 1974, onde todos os Portugueses, por momentos foram Irmãos!

Este livro que é uma peça de teatro já foi levado a cena duas vezes pelo Teatro Passagem de Nível uma vez de 1996 e outra 1998.

Agora que se comemoram os 40 anos de Abril a mesma vai pela primeira vez ser editada pela editora Calçada das Letras e lançada no próximo dia 30 de Abril no Centro Cultural Malaposta.



Henrique Tigo – Autor das Portas de Abril






domingo, abril 13, 2014

Morreu o Roque Santeiro



Morreu o Roque Santeiro
José Wilker


Portugal tinha apenas dois canais de televisão e as novelas eram a grande moda, todos viam as novelas, e Roque Santeiro foi o grande sucesso do fim dos anos 80, e José Wilker, tornou-se um dos meus heróis, era um puto e usava um chapéu igual ao dele assim como os óculos escuros, tenho fotos da minha festa de anos (dessa altura) e lá estou eu com o chapéu e os óculos.
Passados mais de 20 anos quase 30, morreu um dos meus heróis, José Wilker o Roque Santeiro, infelizmente não tive a oportunidade de o conhecer pessoalmente de dar-lhe um Tríplice Abraço Fraterno, como ele merecia.
José Wilker que era um herói e acima de tudo um irmão, que passou para o Oriente Eterno, onde de certeza o GADU o recebeu e onde estão a falar sobre o Roque Santeiro.
Eu já vi a novela Roque Santeiro, três vezes, uma enquanto criança, depois em adolescente quando voltou a dar na GNT, e a pouco tempo na net e quanto mais a vejo mais eu gosto dela.
O enredo é sobre um Santo que não é Santo, pois nem nunca morreu, o Capitalista (Coroné) que manda nos políticos e em todos só porque é mais rico, e um povo que quer a força acreditar em milagres e num Santo, acho que ainda hoje está actual, já viram ou imaginaram como seria se, se prova-se por exemplo que Fátima, era uma farsa?
O que seria de Ourém? Dos Comerciantes? E dos fieis, que necessitam de acreditar em algo? O que seria dos políticos, dos governantes, dos padres?
Mas voltando a novela, o enredo as personagens e a banda sonora, são ainda hoje das coisas mais bonitas que vi, uma novela que nos faz pensar e nos faz rir e pensar, nos milagres e nos seus santos.
Quem não se lembra o Senhorzinho Malta (Estou certou, ou estou errado?) O Sr. que manda e que se acha acima da lei e do estado.
As beatas retratadas pela Dona Pombinha, quantas beatas iguais conhecemos?
A luta entre as “miúdas” do Cabaré e “puritanas” que são iguais ou bem piores…
Já para não falar no lobisomem, figura que mítica que invade o imaginário coletivo a seculos.
Uma novela que tem de tudo e para todos.
Roque Santeiro acaba por deixar a cidade e não desfazer o mito para bem do povo que necessita de mitos para viver.
Um elenco famoso, esta novela esteve até a pouco tempo no record do guiness como a novela mais vista de sempre, mas ainda tem o record e ter tido 100% de audiência no Brasil e em Portugal.
Mas quero deixar aqui aquele abraço fraterno ao Roque Santeiro (José Wilker) de obrigado e dizer-lhe que quando eu passar ao Oriente Eterno vou a tua procura para de dar o TAF que não te dei em vida.

sábado, janeiro 25, 2014

Eu praxante me confesso



Eu praxante me confesso

















Fui praxante e membro da COPA (comissão organizadora da praxe académica) da Universidade Lusófona de 2003 a 2006 e tenho muito orgulho disso.
Talvez por a minha família materna ser de Coimbra concelho de Góis, o pai da minha madrinha ser o actor Alberto Ribeiro, que fez o filme Capas Negras, o meu sonho toda a vida foi usar o traje académico.
Quando finalmente entrei para a Universidade a minha querida Avó, ofereceu-me o traje fui comprá-lo a Coimbra numa loja com grande tradição, lembro-me que foi em Agosto e estavam mais de 40 Graus, mas não importava eu tinha finalmente o meu traje.
Mas voltando as praxes, o meu curso tinha acabado de abrir na universidade lusófona, logo não tinham Veteranos para me praxar, então fui a associação de estudantes pedir ajuda pois queria ser praxado e lá me indicaram com quem tinha de falar e lá fui praxado, fiz tudo o que me pediram para fazer e nunca me agrediram, nem fisicamente nem verbalmente.
No meu tempo era assim: 1º ano eramos praxados eramos caloiros; 2ª matrícula eramos Doutor de M… -, 2º ano podíamos ver dar palpites mas não podia praxar; 3ª matrícula M…de Doutor -, 3º ano já podíamos praxar e finalmente no 4º ano eramos Veteranos, a partir da 5 já nos podíamos candidatar a Dux, quantas mais matrículas mais hipóteses tínhamos de ser "aprovado" como Dux.
Uma vez que me tinha destacado como caloiro e como o meu curso não tinha ainda nenhum representante na COPA, fui convidado para membro dessa organização dessa elite para onde pouco tinham a honra de ser convidados. Uma vez que tinha poucos alunos, foi me dada a função de fiscal das praxes, cumprir e fazer cumprir o código das praxes, cargo que ocupei com muito orgulho e nunca vi abusos nem faltas ao código das praxes, tive dezenas de afilhados e afilhadas, de vários cursos, desde Geografia a Economia, de quem ainda hoje sou amigo.
Ultimamente é "moda" falarem mal da praxe! E isso mexe comigo, pois não há melhor experiência académica que ser praxado e praxar.
Fui Presidente da Associação de Estudantes do Núcleo de Geografia, vice-prsidente da AL, membro do ENDA e do FAIRE, mas para mim ter sido membro da COPA bate todas essas, foram os melhores tempos da minha vida académica! A praxe foi um trampolim para a integração na Universidade, principalmente na Universidade Lusófona que na altura só tinha pouco mais de 15.000 estudantes e que senão fosse a praxe não tinha conhecido ninguém, além do meu curso que nem 30 alunos tinha.
O director do meu Curso era Croata e como estrangeiro não conhecia a nossa cultura, história e tradições e não gostava de praxes, nem de nos ver trajados, mas mesmo assim e levem a minha avante e lutei pelas praxes e pelo uso do traje académico e venci, nunca pensei 10 anos depois ter de continuar a defender uma tradição portuguesa com mais de 300 anos, tradição que nem o Salazar proíbiu.
As praxes só servem como meio de integração, não humilhação e não magoamos ou matarmos alguém. Sempre que fazíamos uma praxe, dizíamos o que íamos fazer e perguntávamos aos caloiros se a queriam fazer, aquele que não quisesse não fazia e nada de mal, lhe acontecia. A culpa dos exageros não é das praxes, é das pessoas! E dessas há em todo o lado, é raro o jogo de futebol (principalmente entre os Grandes) onde não exista violência física e verbal, já morreram aptos de todos os clubes e não veja ninguém a querer acabar com os Jogos…
As praxes não muito menos “violentas” e é isto? Para mim só é contra quem não foi estudante, quem nunca trajou, se são ou estão frustrados por não terem entrado na universidade ou nunca terem sido convidados para nenhuma praxe, não culpem a praxe.
Eu praxante me confesso, hoje passados 10 anos, voltava para lá a correr e ainda hoje fico triste quando passo por um grupo de trajados ou praxantes, por não estar no meio deles…
Outra coisinha, eu fiz tudo o que em cima referi e nunca chumbei, fiz a minha Licenciatura nos 4 anos dela, essa que os “gajos” das praxes andam lá e não estudam, comigo também não pega!!!

Dura praxis, Sed praxis!!!

Henrique Tigo
Ex-membro da COPA da Universidade Lusófona de 2003 a 2006